Yes! A beleza brasileira vai conquistando o mundo!

[tempo para leitura: 3 minutos]

Diante de tantas notícias ruins a respeito das mazelas brasileiras, é na iniciativa privada que recebemos novidades que nos enchem de orgulho. Uma empresa brasileira ajuda de alguma forma a desfazer o estigma de Macunaíma tão presente na alma dos brasileiros – o herói sem caráter criado pelo escritor Mário de Andrade no livro homônimo publicado em 1928. A Natura anunciou a aquisição da Avon e se tornou a quarta maior empresa de beleza do mundo! Juntas, as empresas terão a liderança na venda de cosméticos porta a porta, com mais de 6,3 milhões de representantes e consultoras além de 3.200 lojas.

Com a Avon, a Natura &Co terá faturamento anual superior a 10 bilhões de dólares, mais de 40 mil colaboradores e presença em cem países. Uau! Desde 2012, a Natura foi às compras para aumentar sua atuação em escala global. Naquele ano, adquiriu a australiana Aesop e, em 2017, fechou a compra da britânica The Body Shop.

Com as aquisições, a Natura pôde construir um portfólio mais amplo, com produtos e preços mais diversificados em inúmeras lojas ao redor do mundo. E mais, todo esse movimento mostra a força que as duas gigantes, agora juntas, têm para atender seus diferentes perfis de clientes, em diversos canais de distribuição e área de atuação. Quando se agrega uma base relevante de volume e presença de novas lojas, com o apoio de revendedoras e vasta gama de produtos, automaticamente o negócio cresce mais rápido.

A Avon é uma das maiores concorrentes da empresa no Brasil. Aqui tem cerca de um milhão e meio de representantes, cobrindo praticamente todo o território nacional. O país é responsável por boa parte do lucro de ambas as companhias, e não é por acaso: somos o terceiro maior mercado global em produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, atrás apenas dos Estados Unidos e Japão.

Apesar de todo este gigantismo, a Natura &Co não supera o número de lojas físicas de outra gigante brasileira – o Grupo Boticário. Dona das marcas O Boticário, Eudora, quem disse, berenice?, The Beauty Box e recentemente da Vult, conta com mais de 4 mil lojas em 1.752 cidades brasileiras e outras 95 unidades internacionais. A companhia emprega cerca de 10 mil pessoas em duas fábricas, dois centros de distribuição, centro de pesquisa e desenvolvimento, escritórios administrativos e algumas lojas próprias pelo país. Fatura 12,3 bilhões de reais e é a quinta maior rede de varejo do país, mas ostenta uma marca que é outro orgulho nacional: O Grupo Boticário é detentor da maior rede de cosméticos do mundo!

A beleza das brasileiras sempre fez muito sucesso lá fora. E isto atraiu a indústria de cosméticos a pesquisarem ativos extraídos de biomas brasileiros e desenvolverem produtos com as características da mulher brasileira. Neste sentido, uma das pioneiras em pesquisas foi a Natura. A linha Ekos, criada em 2000, fez um tremendo sucesso ao apresentar uma linha de produtos apenas com ativos extraídos da região amazônica, de maneira sustentável. O Brasil possui um dos biomas mais diversos do mundo.

Temos aqui a caatinga, o cerrado, a mata atlântica, o pantanal, a mata das araucárias e a Amazônia. O açaí, guaraná, camu camu, babaçu, cupuaçu, muru muru, castanha do Pará, buriti, andiroba, maracujá, jenipapo e mandacaru são alguns dos exemplos de plantas e frutos 100% brasileiros que hoje fazem sucesso aqui e lá fora.

A L’Occitane que o diga. Em 2013, a tradicional marca francesa lançou a L’Occitane au Brèsil, com duas linhas completas de produtos baseadas em ingredientes tipicamente brasileiros. Foi a primeira e única vez que o grupo lançou uma marca para um país específico. Isto se deve pois o fundador da marca, Olivier Baussan encontrou no Brasil um lugar em que a diversidade da natureza e a paixão por viver lhe encantaram. Desde então já abriu mais de 70 lojas pelo país.

As três empresas citadas neste artigo têm tudo para divulgarem e distribuírem os cosméticos com compostos brasileiros mundo afora. E assim, a beleza brasileira vai conquistando o mundo!

* Imagem reprodução