Oportunidades de expansão para o varejo brasileiro no mundo

Você varejista ou franqueador já pensou em expandir fora do Brasil? A tentação é forte e muitos acabam cedendo.  Algumas redes crescem mais lá do que aqui. Países da América do Sul, Portugal e Miami/Orlando estão entre as principais opções para as marcas nacionais.

Aqui, no nosso continente, temos países em franco crescimento que estão formando uma massa crescente de famílias de classe média.  Países como o Chile (previsão de crescimento de 2,5% a 3% do PIB em 2018), Argentina (de 2,5% a 2,8%), Colômbia (de 2,8% a 3%), Peru (de 3,8% a 4%) e Uruguai (de 3,3% a 3,5%) são alguns dos que começam a entrar na mira dos varejistas brasileiros.

No final do ano passado, a Renner instalou as 2 primeiras lojas de 4 programadas para o mercado uruguaio e os primeiros indicadores são de um razoável resultado de vendas.  O Uruguai tem um dos PIB per capita mais elevados da região e com consumo interno em grande ascensão.  Hering, Boticário e Lupo são outras marcas que estão com lojas por lá.

Os países andinos, que sempre foram considerados patinhos feios na América do Sul, viraram cisnes. Chile, Peru e Colômbia vêm registrando crescimentos sucessivos do PIB a mais de 7 anos. São mercados que se mostram interessantes. Redes como Boticário, Smart Fit, Chilli Beans, Clube Melissa, Bob´s já atuam na região.

Mas a estrela promissora em ascensão é a Argentina. Depois de quase uma década de estagnação da sua economia, finalmente, começou a mostrar sólidos sinais de recuperação. Isto pode ser uma oportunidade para varejistas brasileiros iniciarem suas operações por lá. A rede de academias Smart Fit anunciou recentemente planos de avançar por lá. Clube Melissa, Carmen Steffens e Havaianas já estão com operações no país portenho.

Na Europa, Portugal, pela facilidade da língua, se mostra como a porta de entrada para as redes brasileiras. O país vem crescendo economicamente desde 2013 e está transformando sua economia. Está se tornando um país moderno, descomplicado e com facilidade para negócios. A rede Boticário já tem 50 lojas por lá e, recentemente, inaugurou 3 unidades de sua segunda marca – Quem Disse Berenice?. Morana, Chilli Beans, Arezzo e Havaianas também já atuam por lá.

Finalmente, os Estados Unidos, principalmente o eixo Miami-Orlando, tem recebido a maior parte das empresas brasileiras. Redes como Giraffas, Nutty Bavarian, Jacques Janine, Morana, Chilli Beans, Paris 6, Carmen Steffens, Spoleto, Madero, Osklen, Arezzo, Natura e até mesmo o Restaurante Coco Bambu já fazem sucesso por lá.

É importante ressaltar que nem tudo são flores quando se deseja investir em outros países. Legislação, cultura, logística, mão de obra são muito diferentes da realidade brasileira. Alguns cases negativos: China In Box na Argentina, Habib´s no México, Casa do Pão de Queijo nos EUA, são alguns exemplos de redes que fecharam suas operações internacionais pelas dificuldades que enfrentaram. Para elas, ainda é melhor se dedicarem às oportunidades de expansão dentro do próprio Brasil.

*Imagem reprodução