Nordstrom inaugura loja conceito em Nova York

Nordstrom inaugurou uma nova loja de sete andares – um andar para cada ano de planejamento – com sua linha completa de produtos, localizada no West Side de Nova York. Com a inauguração, a empresa, sediada em Seattle, demonstra que está evoluindo.

“Estamos nos 50 principais mercados”, disse Erik Nordstrom, co-presidente da varejista. De acordo com executivos, o mercado de Nova York representa mais de US$ 700 milhões. “Nova York tem sido uma grande falha.”

A entrada de uma loja na Big Apple é um sonho da família Nordstrom. Os co-presidentes Erik e Pete Nordstrom, durante os eventos de pré-abertura, falaram ao pai, Bruce, que estava lá, um “você pode acreditar?”.

A empresa já administra na cidade seis lojas de desconto Rack (duas em Manhattan), uma loja masculina aberta no ano passado e duas lojas locais recém-inauguradas. A Nordstrom também opera outras lojas de linha completa e de preços promocionais na área mais ampla do Estado.

“Papai contemplou a cidade de Nova York quando tinha 35 anos”, disse Erik Nordstrom em entrevista coletiva. “Ele agora tem 86 anos.”

A loja, que custou mais de US$ 500 milhões em capital de investimento, fica em frente à nova loja masculina na 57th Street, no lado oposto do Central Park, junto às icônicas lojas de departamento de luxo Bergdorf GoodmanBarneys e Saks.

“A visão de que o Central Park tem 10 milhões de visitantes por ano é correta, mas é altamente enganosa como base para os passos da nova loja da Nordstrom”, disse Cohen. “Grande parte desse tráfego ocorre em uma grande variedade de entradas e saídas leste, oeste, norte e sul, a maioria das quais não fica nem perto da West 57th Street e da Broadway”.

Executivos disseram que haviam pensado em montar a loja completa no Hudson Yards, um parque de varejo de luxo que foi inaugurado em março em uma área pouco desenvolvida. Essa pode ter sido a jogada mais sábia, porque esse desenvolvimento de uso misto está pronto para nutrir o surgimento de um bairro totalmente novo, disse Cohen.

De acordo com o especialista, Nova York já está saturada de varejo de luxo e eles deveriam ter ficado com o que tinham. “A Nordstrom possui importantes negócios suburbanos em toda a área do Estado”, afirmou o professor. “Quanto dos negócios da nova loja representará apenas vendas de transferência dessas lojas suburbanas versus vendas incrementais verdadeiras?”.

Certamente, os recursos da nova loja representam o melhor do ideal de uma loja de departamentos do século XXI, incluindo serviços hi-touch como estilo e alfaiataria, expertise e diagnóstico na área de beleza, possibilidade de fazer conexões digitais em toda a loja (incluindo provadores), comida e bebida. A loja conta com sete restaurantes e bares, com alguma modalidade em cada um dos andares, os clientes podem pedir bebidas em vestiários e áreas de calçados.

O consultor de varejo Doug Stephens disse que “a alocação drasticamente maior de espaço para alimentos e bebidas é uma inclusão muito inteligente”.

“Parabenizo a Nordstrom pelo que é claramente um espaço ambicioso e bonito, com ênfase em marcas, seleção e serviços”, disse ele. “Também espero que a Nordstrom reconheça que esses elementos essenciais apenas fornecem uma base a partir da qual começar um trabalho muito mais difícil. O modelo de loja de departamentos é um modelo de pré-Internet que tenta encontrar relevância no mundo pós-Internet e sem muita quantidade de informações. Seleção de lojas, acesso a marcas ou qualidade estética podem mudar isso”.

Não está claro quanto a Nordstrom pode controlar em um ambiente de varejo que não tem sido bom para empresas tão grandes, principalmente lojas de departamento. A Barneys está no meio de um processo de falência, a Lord & Taylor foi vendida, varejistas de descontos e a Target vem roubando participação.

“A flagship de Nova York é uma mudança ambiciosa em meio a um cenário de loja de departamentos que gera pouca confiança na implantação de capital de crescimento”, escreveu o analista da William Blair, Dylan Carden, em uma nota após uma reunião de administração. E muita coisa mudou nos últimos sete anos, observou ele.

“Considere simplesmente que a Nordstrom estava crescendo, em média, 7,5% nos três anos anteriores a 2012, contra 1,7% em 2018 (o último ano em que forneceu essa métrica), o que representa um crescimento efetivamente estável para sua divisão de linha completa, inclusive online”, escreveu Carden .

Mas a estratégia da Nordstrom em Nova York não se resume apenas ao carro-chefe, com um planejamento tão ambicioso e demorado. A empresa planejou as lojas locais, da Rack e agora  uma de linha completa com um grande objetivo. “Esses negócios não são separados”, afirmou Erik Nordstrom, observando também que a área oferece à empresa a sua maior participação nas vendas online.

Isso fornece gerenciamento de inventário que permite um aumento de sete vezes na seleção, e os executivos afirmam esperar que um terço de seus clientes da Rack comprem também pelo preço total, uma ideia que Cohen considera desejável.

Os analistas da Wedbush veem potencial. “Fomos mais construtivos na oportunidade do mercado local da Nordstrom, pois as sinergias nos gastos dos clientes para compradores de plataforma cruzada / preço cruzado fazem sentido e ressoam com os consumidores em nossa pesquisa”, escreveram em nota.

A Nordstrom também está planejando seguir essa sinergia em outros lugares. Os executivos disseram que estão planejando mais lojas locais para seus 10 principais mercados no próximo ano, começando com Chicago, São Francisco e Dallas antes das festas do fim deste ano.

 

Com informações do site Retail Dive

* Imagem reprodução

Fonte: Mercado&Consumo